Produtividade

Como Ryder Carroll criou o Bullet Journal?

Acompanhar o passado, organizar o presente e preparar o futuro.
Soa como um desafio familiar?

Ryder Carroll, um designer baseado em Nova York, se propôs a lidar com o problema de seu caderno. Um pouco mais de três anos atrás, Ryder desenvolveu o Bullet Journal, um sistema analógico projetado para ser uma lista de tarefas, diário, caderno e rascunho.

É flexível o suficiente para que você possa usá-lo em seu Moleskine ou pegar elementos emprestados para pôr em prática no Evernote. Nós recentemente conversamos com Ryder sobre as origens do bullet journal e como ele o implementa em sua vida diária.

Como você construiu o bullet journal e quais problemas ele resolve?

A bullet journal não era definitivamente bem um sistema até os últimos dois anos. Antes disso, era apenas um monte de iterações de maneiras que mantinham muitos tipos diferentes de notas pessoais para mim. Devagar, eu fui desenvolvendo ao longo do tempo o sistema para capturar notas da forma que a minha mente trabalhava. Algo suficientemente flexível para lidar com os diferentes tipos de conteúdo.

Eu tinha uma dificuldade de aprendizagem que não permitia que eu me concentrasse muito bem. Um desafio que enfrentei na maior parte da minha vida estudantil. As notas começavam tanto como uma página em branco sem qualquer modelo ou como um modelo muito rígido, que eu não entendia ou desfrutava.
Eu tinha curtas rajadas de foco muito intenso, então eu tive que descobrir uma maneira de capturar as coisas muito rapidamente. Eu iria mais tarde tentar revisitar o que eu havia capturado, mas não conseguia encontrar nada. Resolver este problema foi um processo iterativo, e cada passo foi destinado a resolver meus próprios problemas.

Minhas soluções vieram para resolver meus próprios desafios.

Você pode explicar como funciona o sistema?

Essencialmente, o bullet journal é uma estrutura para capturar suas idéias. Ele permite que você observe o que aconteceu com você e permite organizar o que está acontecendo e planejar o futuro.

Aqui está uma análise da estrutura do bullet journal:

1. Registro rápido: um sistema de tomar notas muito rapidamente usando números de página, títulos e ícones de pontos diferentes para distinguir as etapas que você anotou com tarefas.

2. Módulos: permitem que você organize as notas que você está tomando de maneiras diferentes. Há uma página no início onde você adicionar os títulos para todas as suas entradas para que você possa muito rapidamente se referir a elas mais tarde.

3. Registro mensal: um calendário e lista mensal de tarefas.

4. Migração: transferência apenas das partes mais relevantes de uma semana ou mês para o próximo.
Leve em conta: Você pode reduzir a quantidade de coisas que você precisa fazer transferindo as coisas manualmente. Se uma tarefa não vale a pena ser reescrita, ela provavelmente não é importante. Gaste tempo com coisas que são importantes e seja consciente de como você gasta seu tempo.

O sistema funciona para qualquer profissional ou só para aqueles na área de criação?
Como é que ele é determinante para o sucesso das pessoas?

Idealmente, o que eu estou tentando fazer com o bullet journal é descobrir uma estrutura e permitir que as pessoas a utilizem para construir o que precisam. Ela pode ser tão útil para as pessoas da área de criação, como para outros profissionais.

A idéia do bullet journal é fornecer algumas orientações. As pessoas podem levar os módulos que eu projetei e evoluí-los, ou criar seus próprios e ligá-los a uma estrutura existente.

Qual o sucesso você já notou ao usar seu sistema? Melhorias e ganhos?

Formalizar realmente isso em um sistema seria algo grandioso. O bullet journal era uma série de métodos que eu usei para me manter organizado. Quando eu comecei a trabalhar profissionalmente no espaço digital e a pensar sobre a experiência do usuário em um nível muito diferente, eu levei essa mentalidade digital e a adaptei a um contexto analógico.

Eu realmente gostei da experiência tátil de escrever em um caderno. Essencialmente, ao longo dos últimos dois anos, eu formalizei o sistema e percebi que poderia agregar valor a outras pessoas.

A grande revelação foi quando eu introduziu o sistema para os colegas. Sendo eles designers ou programadores, eles sempre têm um caderno. Mostrei-lhes diferentes métodos que eu estava usando e eles acharam útil. Essa foi a inspiração real para compartilhá-lo com todos os outros. Nesse processo de torná-lo um sistema formal, eu tive que encontrar maneiras de falar sobre isso e compartilhar informações e táticas que muitas pessoas poderiam entender.

Eu realmente amei ver o que as pessoas fizeram com a estrutura. Era surpreendente ver o quão adaptável ela poderia ser para outras pessoas, com diferentes experiências e estilos de vida – mães e médicos – e ver a criatividade ímpar deles.

Você incorporou conceitos de GTD para este sistema?

Na verdade, não. Eu fui exposto a uma grande quantidade de diferentes tipos de métodos que não funcionam para mim, o que me deixou frustrado. Depois que eu lancei o bullet journal, as pessoas trouxeram outros sistemas intrincados para o gerenciamento de informações que tinham semelhanças e foram muito complementares.

Como você usa o Evernote? Você mistura o bullet journal com o Evernote?

Eu passo a maioria de meus dias trabalhando e fazendo projetos paralelos no espaço digital. Eu acredito muito na ferramenta certa para o trabalho certo. O Evernote é a melhor ferramenta que eu já encontrei para a captura de mídia digital.

Eu usei o Evernote para não usar papel há dois anos atrás. Vivendo em Nova York, você se move o tempo todo, e foi maravilhoso ter um lugar com todos os meus arquivos. O reconhecimento óptico de caracteres foi incrivelmente útil para mim.

Eu também uso o Evernote para tirar fotos de notas que eu quero compartilhar com alguém. De forma analógica, você não pode compartilhar as informações. Isso é super crítico. Às vezes eu tenho uma idéia, faço o registro e compartilho essa nota.

Tem sido maravilhoso ver uma empresa como o Evernote realmente abraçar o espaço analógico. Eu tenho o ScanSnap Evernote Edition Scanner. O fato de você fazer parcerias com empresas que lhe permitem tomar notas analógicas e trazê-las para o mundo digital é incrivelmente emocionante. Estou animado para ver o futuro deste espaço.

Você já viu as pessoas misturando o Evernote e o bullet journal?

Tenho visto as pessoas usando o Evernote como seu bullet journal de maneiras diferentes. Eles utilizam a ferramenta e usam a sua criatividade para torná-la útil. É exatamente dessa forma que eu espero que as pessoas usem o bullet journal.

Eles montaram um caderno do Evernote e criaram datas e horários com base em notas. Cada nota neste caderno está configurada como um bullet journal. Eles criam uma pilha e, em seguida, usam cada caderno durante um mês. As pessoas fazem isso de várias maneiras. Elas têm sido super criativas com as opções disponíveis.

Como é viver no mundo digital abraçando o mundo analógico?

Eu vivo diretamente entre esses espaços e promovo ambos. Para mim, é a respeito da ferramenta. Não é sobre criar listas de tarefas em excesso, é sobre encontrar a ferramenta que vai realmente ajudá-lo a ser mais produtivo.

Colocar a caneta no papel ajuda a reter as ideias significativamente melhor e há um monte de ciência para sustentar isso. Ao mesmo tempo, a tecnologia permite que você compartilhe essa informação, analise a informação e a compartimente para trabalhar com ela de novas formas.

Faça um upgrade nas suas notas com o Evernote Premium.

Seja Premium